Entrada Sugestões do Mês Autor do Mês

Menu Principal

Sugestões do Mês

escritor escrevendo

Autor

livres-05 

Livro

opinião

Opinião

bandes-07 

Filme

musica

Música

Horas

Em cima do acontecimento

« < Dezembro 2017 > »
S T Q Q S S D
27 28 29 30 1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 29 30 31

Bibliotecas nas Redes Sociais

facebook     twitter

Centenário do Concelho

centenario SBA logo

 

bibliodigital

Projetos e Programas

ler logo

 

conta-nos uma  historia logo

 

portal das escolas logo

 

seguranet

Visitantes online

Publicidade

Faixa publicitária

Parceiros


 
Alojamento ESJBV ESJBV
Autor do Mês
Julho de 2014 - Poeta Bernardo de Passos

poeta bernardo de passosSão Brás de Alportel (29 de outubro de 1876)

Faro (2 de junho de 1930)

 

"Nestes ermos, ouvindo as fontes,

De humildes alegrias fui pastor"

 

Bernardo Rodrigues de Passos começou muito cedo a publicar as suas poesias em jornais do Algarve, assinando "Passos Júnior". Poeta de grande inspiração, sensibilidade e forma puríssima, cantou a paisagem algarvia, a Natureza e a Mulher! Através da sua obra demonstrou, de acordo com os seus ideais políticos, preocupações sociais e, com grande sutileza, fez críticas a favor dos mais desfavorecidos.

Bernardo de Passos abraçou profundamente os ideais republicanos, que defendeu, em muitos artigos assinados com o pseudônimo de "Brás Brasil", e divulgou, com atitudes únicas, nomeadamente dando aulas gratuitas no Centro Republicano então existente em São Brás de Alportel.

Em 1902 publicou o seu primeiro livro, "Adeus"; em 1907 seguiu-se "Grão de Trigo"; "Portugal na Cruz" foi editado em 1909 e, em 1913,"Bandeira da República".

Em 1930, logo após a sua morte, foi lançada a obra "A Árvore e o Ninho" e, em 1936, também publicada postumamente, "Refúgio".

Em 1983 a Câmara Municipal de São Brás de Alportel editou a obra completa de Bernardo de Passos, permitindo às gerações vindouras um melhor conhecimento do valor intelectual de um dos mais inspirados poetas de língua portuguesa!

A obra de Bernardo de Passos, pouco extensa, é toda ela de expressão lírica, O que o poeta escreveu é reflexo da sua vida interior, o espelho de muita sensibilidade e de uma consciência. Do seu amor ao Belo, da sua ternura pelo fraco, pelo desvalido, pelo pobre, pelo desamparado. Deste modo, a bondade, a ternura, a delicadeza, a timidez, o sorriso, são as notas dominantes do seu lirismo.

Dele diziam os seus contemporâneos:

Por um misterioso destino ele pôs em verso o sonho que existe no fundo das almas.

Escreveu mais para si do que para os outros.

Cantou num tom de humanidade ardente.

Aqui está um poeta que foi poeta sem cuidar ser artista.

Aspirava a Perfeição mística, a Beleza ideal e o Amor transcendente.

Pela mais fina delicadeza da sensibilidade incarnou o génio do cancioneiro popular, saudosista e místico.

Para conhecer melhor a vida e obra deste autor, entre aqui

 
<< Início < Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Seguinte > Final >>

Página 6 de 14