Entrada Atividades Clube de Leitura Clube de Leitura - fevereiro de 2020

Menu Principal

Sugestões do Mês

escritor escrevendo

Autor

livres-05 

Livro

opinião

Opinião

bandes-07 

Filme

musica

Música

Horas

Em cima do acontecimento

« < Maio 2020 > »
S T Q Q S S D
27 28 29 30 1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 29 30 31
« < Junho 2020 > »
S T Q Q S S D
1 2 3 4 5 6 7
8 9 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29 30 1 2 3 4 5

Bibliotecas nas Redes Sociais

facebook     twitter

Centenário do Concelho

centenario SBA logo

 

bibliodigital

Projetos e Programas

ler logo

 

conta-nos uma  historia logo

 

portal das escolas logo

 

seguranet

Visitantes online

Publicidade

Faixa publicitária

Parceiros


 
Alojamento ESJBV ESJBV
Clube de Leitura - fevereiro de 2020
quinta-feira, 27 fevereiro 2020 11:24

clube de leitura logo

Deus Pan contos rusticos28 de fevereiro | 16h00 | sala João belchior Viegas

"Deus Pan, contos rústicos" de José Dias Sancho

Em fevereiro, mês de folia pagã, os membros do Clube de Leitura "Ler para Viver" conversam a partir do livro de contos rústicos "Deus Pan" do são-brasense José Dias Sancho.

Este livro consta de uma dúzia de contos rústicos onde se dá cor não só a personagens típicas das vilas e dos campos como, sempre que surge a oportunidade, se descreve a paisagem algarvia no decorrer do dia desde a alvorada ao pôr do sol.

A prosa deste livro é brilhante, erudita e com um espírito satírico sempre presente.

Nada escapa à sua observação. O vocabulário de que se serve é muito rico e variado, quer para descrever situações quer para definir os "heróis" de cada história, quer as suas intenções e procedimentos muitas vezes previamente estudados.

Achando que aos motivos eleitos por Dias Sancho foi-lhes dada urna bela plasticidade novelesca conduzindo os assuntos para o desfecho com muita segurança técnica, Ferreira de Castro destaca deste livro os contos "O Milagre das Paranóias" e os dois últimos "Festa do Maio em Lagos" e "Olhão vila cubista", onde considera que há uma admirável conjugação entre o pintor e o literato.

Ainda segundo Ferreira de Castro, de todo o livro exala uma ironia sã aqui e ali tocada de paganismo - uma ironia sem ardis, sem ciladas, sem grosseiros artifícios.